PESQUISA DE SAÚDE VAI IDENTIFICAR RISCOS PSICOSSOCIAIS NO AMBIENTE DE TRABALHO DO JUDICIÁRIO ESTADUAL, FEDERAL E MPU

Notícias

De forma inédita, a Fenajud (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados) e a Fenajufe (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União) farão, em parceria com os seus sindicatos de base filiados, dentre eles o SindJustiça Ceara, uma Pesquisa de Saúde que deverá apontar os riscos psicossociais no ambiente de trabalho no judiciário. A pesquisa já está disponível (clique aqui) e tem como público-alvo os trabalhadores e trabalhadoras do judiciário federal, estadual e MPU (Ministério Público da União) e terá como tema, “Sofrimento e adoecimento no trabalho do judiciário e MPU”.

A Pesquisa, que será abordada em todo território nacional, será coordenada pela professora Ana Magnólia Mendes e pelo professor Emílio Faças, do Laboratório de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho da Universidade de Brasília (UnB).

O estudo possibilitará a construção de uma base nacional de dados que dê suporte e formação aos sindicatos, a fim de capacitá-los na ação conjunta para elaboração e disputa de propostas junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O conjunto de dados obtidos com o cruzamento das informações levantadas pelo Protocolo vão identificar as situações de assédio moral e possibilitar a construção de políticas que permitam combater a prática abusiva, a gestão autoritária e proporcionar um ambiente de trabalho com mais qualidade de vida.

O Protocolo

O questionário vai abordar quatro eixos, sendo o primeiro, as relações de trabalho e o modelo de gestão adotado na unidade. Já o segundo trafega pelo sofrimento relacionado ao trabalho, gerado por fatores como a falta de reconhecimento, o sentimento de inutilidade entre outros. O valor do trabalho tanto para o servidor quanto para a instituição integram o terceiro eixo. Já o último busca identificar os danos físicos, psicológicos e sociais causados aos trabalhadores e trabalhadoras do judiciário.

O Protocolo conta ainda com um questionário complementar que fornecem dados para a construção do perfil demográfico da categoria, também irá trabalhar aspectos específicos.

Informações

O quê: “Pesquisa de Saúde – Sofrimento e adoecimento no trabalho do judiciário e MPU”

Onde: www.pesquisajudiciario.net

Contato: (61) 3321 0242 – Fenajud

Com informações da Assessoria de Imprensa Fenajud

1 Comentário

  1. Sou enferma ha mais ou menos vinte após ter entrado no judiciario. Adquiri lupus. Hoje sou portadora de artrite artroide. Tenho crise de tendente, busite por conta do trabalho de digitação. Já opere as duas mãos. Tambem joje tenho síndromes do túnel do carpo. Fiquei de licença 2 anos pas o ISSEC nao me aposentou por invalidez. Sou diabética. Enfermidade que adquiriz por conta dos remédios do tratamento da hepatite auto imune que adquiri por conta do LUPUS.
    Trabalho por necessidade.
    Sou auxiliar judiciária.Ja tenho 69 anos. Mas agora diante da situação politica da naçao vou me aposentar de qualquer jeito.
    Me compartilhem seus pontos de vista.

Deixe o seu comentário!